28 de dez de 2010

Tiger Eyes: Judy Blume faz um filme!

A escritora e agora cineasta, Judy Blume revelou mais detalhes sobre o livro e o filme "Tiger Eyes" ao site TheDailyBest, confiram:
 

Ícone autora para jovens e adultos, Judy Blume vendeu mais de 80 milhões de livros, mas nunca teve um filme baseado em uma de suas obras. A jornalista Gina Piccalo, do The Daily Beast, fala com a autora do novo filme “Tiger Eyes”.

A novelista Judy Blume, reverenciada por milhões por desmistificar a espinhosa fase da puberdade, é autora de alguns dos mais “cinematográficos” livros para jovens e adultos americanos, e tem resistido a polêmicas por sua escrita franca. Romancistas assim, são um dos mais elegíveis para uma adaptação de Hollywood.

No entanto, 41 anos depois que publicou seu primeiro livro, os fãs de Judy Blume nunca viram alguma de suas histórias chegarem as grandes telas do cinema. Até que no verão passado, a autora começou a twittar sobre locações de filmes, trabalhando em “15 dias de RH” na pré-produção e ajustando scripts, papéis e casting para uma adaptação cinematográfica de seu romance de 1981, “Olhos de Tigre” (Tiger Eyes).

Aos 72 anos, ela de repente se tornou uma cineasta, uma fazedora de filme. Apesar de não ter certeza ainda se o filme irá direto as salas de cinema, a romancista é energizada pelo desafio.

“É uma fantasia que está se tornando realidade para mim”, disse Judy Blume em um telefonema na noite de domingo, apenas três dias antes das filmagens, que foram marcadas para começar no Novo México. “Estou muito contente e estou aqui ainda para apreciar isso”

Tiger Eyes conta a história de uma garota fascinante de 15 anos chamada Davey, tendo que lidar com a morte violenta de seu pai durante um assalto. Junto com sua mãe e irmão, ela tem que começar uma nova vida em Los Alamos, Novo México. Lá, ela encontra um nativo rapaz do local, conhecido como Wolf.

Alguns fãs ficaram intrigados com a decisão de adaptar este livro pois a obra escrita de Judy Blume é tão rica, tendo os pratos mais saborosos do adolescente, o mais memorável da angústia dos pré-púberes como em outros livros da autora como “Are You There God? It’s Me Margaret”e “Forever”, que retrata a brutalidade do bullying por gordura sofrido pelos adolescentes.

Mas a escolha de Judy por Tiger Eyes para o seu primeiro filme tem a ver com a sua lealdade aos fãs, em como ela faz seu compromisso com seus protagonistas, aqueles meninos e meninas comuns, às voltas com os problemas da vida real. É um estilo que ganhou empatia de Judy, a devoção da Geração X, assim como aqueles garotos que vieram dessa idade e precisavam da ânsia de um guia. E ao longo dos anos, essa abordagem tem tido um notável poder de permanência. As vendas de Judy Blume passam das 80 milhões de cópias, traduzidas para mais de 31 idiomas, números próximos aos da série de livros Crepúsculo da autora Stephenie Meyer.

Para Judy, Tiger Eyes se destaca por ser uma história mais pessoal, incluindo elementos de uma tragédia de sua própria infância. Quando ela era jovem, ela estava com seu pai quando ele morreu de repente. O livro é também o único romance para jovens adultos que Judy considera verdadeiramente cinematográfico.




“Nem todo livro tem que ser um filme”, diz Judy antes de fazer referência aos seus dois romances para adultos que também poderiam ser filmes. Summer Sisters é um filme. Wifey é um filme. Estes são os que eu vejo. Eu não sei porque, mas Are You There God? It’s Me Margaret jamais deveria ser um filme, porque todas as garotas se vêem como Margaret. Eu poderia ser seduzida a isso se eu encontrasse a atriz certa, na hora certa. Mas antes disso, vamos passar por essa primeira experiência.”

A produção de Tiger Eyes se mostrou atraente para Judy, também pelo fato de seu filho dirigir e produzir. Eles escreveram o roteiro juntos e Judy teve um amplo controle criativo de tudo.

É um arranjo muito diferente da primeira tentativa de Judy para o cinema, que aconteceu nos estúdios da Walt Disney em 2004.
 
Na época, Judy, Larry, e Startz foram até dois grandes executivos dos estúdios acreditando que pudessem investir em projetos sobre meninas e mulheres: a então presidente da Walt Disney Studios - Buena Vista Motion Pictures Group, Nina Jacobson, e a vice-presidente sênior de produção e desenvolvimento, Karen Glass. Ambas, eram fãs de infância dos livros de Judy Blume.

“Em seus livros, Judy falou sobre as coisas que queria perguntar a um pai, mas não conseguiu” disse Karen Glass. “Ela escreveu sobre as crianças e como eram seus relacionametos de uma maneira que parecia real. Parecia que ela entendia você.”

Logo, Nina Jacobson anunciou que estava disposta a desenvolver e produzir filmes baseados nos livros best-sellers de Judy Blume. O livro (e único) que foi trabalhado, “Deenie”, era sobre uma menina de 13 anos que queria ser modelo e que se deparou com uma escoliose. Embora houvesse a esperança de se adaptar “Blubber” e Iggy’s House também.

Karen Glass diz que em “Deenie” elas imaginaram um pequeno drama que apelava para as meninas e suas mães, da mesma forma que o estúdio em 2002 fez o filme “Vivendo na eternidade” (Tuck Everlasting) e sua comédia de sucesso de 2003, “Sexta-feira Muito Louca” (Freaky Friday), que trazia Lindsay Lohan. A roteirista Pam Gray (Conviction) entregou o primeiro esboço. A secretária e escritora Erin Cressida Wilson fez o re-write.

Então, no verão de 2006, Nina Jacobson foi demitida e o estúdio mudou seu foco para produções de grande orçamento e re-leituras de antigos sucessos do cinema.

“Certa manhã, acordei e dizia: ‘Oh meu Deus! Nossas executivas da Disney foram demitidas!” Judy recorda. “Tinhamos tantas coisas para esse projeto!”

Nina Jacobson se tornou uma produtora independente, e ela diz que gostou muito do tempo que passou trabalhando com Judy, a quem considera inteligente e amável. Ela vê seu trabalho exclusivamente como um filme, com um potencial comercial fantástico, mas um desafio na hora de se adaptar, porque é muito tão íntimo e subjetivo.

“O estilo de seus livros é muito sofisticado”, diz Nina Jacobson. “Eles são como James Brooks para as crianças. Isso é muito difícil de retirar. “

Judy e seu filho estão confiantes que, desta vez, eles vão conseguir. No mínimo, eles estão se divertindo muito tentando.

“Eu tenho que dizer que isso é incrivelmente sedutor”, diz Judy. “Totalmente esgotante e igualmente emocionante. É divertido! Meu marido e eu temos uma brincadeira. Temos amigos que fazem viagens como um tipo de aventura para tornar suas vidas interessantes. Esta é a nossa aventura. “
A versão cinematográfica de “Olhos de Tigre” é estrelada por Willa Holland (Davey), Amy Jo Johnson (Gwen) e Tatanka Means (Wolf). Produzido originalmente pela Amber Entertainment, tem Judy Blume no roteiro e Lawrence Blume na direção.
 
Créditos, tradução e adaptação: Willa Rolland News
 

Últimas postagens: